PUBLICIDAD
Última actualización web: 18/08/2022

Abordaje sistemático del enfermo alcohólico. Un caso clínico.

Autor/autores: Marlene de Jesus Nobre Bento
Fecha Publicación: 01/03/2010
Área temática: Adicciones .
Tipo de trabajo:  Conferencia

RESUMEN

El alcoholismo se caracteriza por alteraciones al nivel de las actitudes, percepción, motricidade, raciocinio y creatividad en los individuos y, consecuentemente perturbaciones en la vida familiar y medio envolvente. La reciprocidade de influencias positivas y negativas es evidente. Una prestación de cuidados centrada en el respeto, individualización y valorización del individuo promoviendo su autonomía y la envolvencia familiar fue lo que defendemos en el caso que presentamos.

Palabras clave: Alcoholismo, Familia y Atención de Enfermería


Para más contenido siga a psiquiatria.com en: Twitter, Facebook y Linkedl.

VOLVER AL INDICE

Url corta de esta página: http://psiqu.com/1-851

Contenido completo: Texto generado a partir de PDf original o archivos en html procedentes de compilaciones, puede contener errores de maquetación/interlineado, y omitir imágenes/tablas.

RESUMEN:
El alcoholismo se caracteriza por alteraciones al nivel de las actitudes, percepción, motricidade,
raciocinio y creatividad en los individuos y, consecuentemente perturbaciones en la vida familiar y
medio envolvente. La reciprocidade de influencias positivas y negativas es evidente.
Una prestación de cuidados centrada en el respeto, individualización y valorización del individuo
promoviendo su autonomía y la envolvência familiar fue lo que defendemos en el caso que
presentamos.

RESUMO:
O alcoolismo caracteriza-se por alterações ao nível das atitudes, percepção, motricidade, raciocínio e
criatividade nos indivíduos e, consequentemente perturbações na vida familiar e meio envolvente. A
reciprocidade de influências positivas e negativas é evidente. Uma prestação de cuidados centrada
no respeito, individualização e valorização do indivíduo promovendo a sua autonomia e a
envolvência familiar foi o que defendemos no caso que apresentamos.

ENFOQUE SISTÉMICO DEL PACIENTE ALCOHÓLICO - UN ESTUDIO DE CASO

INTRODUÇÃO
O alcoolismo caracteriza-se por alterações ao nível das atitudes, percepção, motricidade,
raciocínio e criatividade nos indivíduos e, consequentemente perturbações na vida familiar e meio
envolvente.
A reciprocidade de influências positivas e negativas é evidente.
Uma prestação de cuidados centrada no respeito, individualização e valorização do indivíduo
promovendo a sua autonomia e a envolvência familiar é o que defendemos no caso que
apresentamos.
Com a execução deste estudo pretende-se, fundamentalmente identificar os problemas de
enfermagem que decorrem da alteração na realização das actividades de vida diárias; planeando os
cuidados de enfermagem adequados e visando a satisfação, autonomia e aceitação da limitação, na
realização das actividades de vida diárias, promovendo o auto-conhecimento e o desenvolvimento
de capacidades de definição de estratégias; assim como avaliar os cuidados de enfermagem
prestados e a evolução do utente.
Perante isto, o presente artigo pretende documentar a prossecução destes objectivos durante um
mês de internamento.
ALCOOLISMO

O alcoolismo é uma doença primária (na medida em que não é um sintoma de um estado de
doença subjacente), crónica, abrangendo factores ambientais, psicológicos e genéticos que
influenciam o seu desenvolvimento e manifestações. É frequentemente progressiva e fatal e é
caracterizada por: perda de controlo sobre o consumo de álcool, preocupação com o álcool como
tóxico, uso do álcool apesar das consequências adversas e distorções do pensamento das quais a
mais notável é a negação do problema, segundo a definição da Sociedade Americana de Medicina da
Adicção.
Segundo a Organização Mundial de Saúde (O. M. S. ) o alcoolismo constitui a totalidade dos
problemas motivados pelo álcool, no indivíduo, e estendendo-se em vários planos, causando
perturbações orgânicas e psíquicas, perturbações da vida familiar, profissional e social, com suas
repercussões económicas, legais e morais.
Sendo assim, os alcoólicos "São bebedores excessivos cuja dependência em relação ao álcool se
acompanha de perturbações mentais, da saúde física, da relação com os outros e do seu
comportamento social e económico, devendo ser submetidos ao tratamento" (1).

ABORDAGEM SISTÉMICA

Após o surgimento da teoria geral dos sistemas, desenvolvida por Bertallanfy, é de toda a
pertinência analisar a problemática do alcoolismo integrando a família do alcoólico e analisando a
questão numa perspectiva sistémica. Confrontando o conceito de sistema, segundo o qual " há um
número de partes relativamente organizadas nas quais uma mudança numa das partes leva,
usualmente, à mudança nas outras partes do sistema" (2) com o conceito de família, segundo o qual
são "duas ou mais pessoas que estão ligadas entre si por laços de partilha e proximidade emocional
e que se identificam como parte dela. . . ", é fácil perceber o porquê de ser tão importante estudar o
problema do alcoolismo numa perspectiva sistémica. A família é um amplo e complexo sistema onde
predominam as interacções e onde as perturbações externas deste calibre afectam todos os
membros. Segundo Shenk, citado por Phipps at al (3), a família é mesmo "uma variável
independente, dependente e interveniente na doença e no tratamento de membros da família
doentes"
O álcool provoca alterações ao nível das atitudes, percepção, motricidade, raciocínio, criatividade
nos indivíduos e, consequentemente inúmeras perturbações na vida familiar.
O lar no qual habita um indivíduo alcoólico é um lar patológico, no qual a família sofre sérias
dificuldades e carências materiais, para além de graves perturbações relacionais que conduzem a
uma deterioração progressiva da dinâmica familiar. Isto é, as alterações provocadas pela ingestão
regular e excessiva de bebidas alcoólicas, por um dos elos do sistema familiar conduz,
inevitavelmente a uma despromoção profissional e financeira desse indivíduo, que progride para o
desemprego e que afecta, largamente toda a estrutura familiar. Todavia essa mesma família, muitas
vezes contribui para que este uso e abuso não tenha termino. Por exemplo, através de
comportamentos permissivos como é o caso da desculpabilização do alcoólico e do encobrimento das
suas atitudes e comportamentos. Existe assim uma "relação recíproca de causa/efeito entre o
alcoolismo e perturbações na lar, na família, no trabalho e na sociedade em geral (1).
Segundo J. K. Jackson, sociólogo americano que estudou estas perturbações na dinâmica familiar,
citado por Mello (1) esta situação patológica conduz a uma desorganização total da família. O
indivíduo doente é, frequentemente gerador de conflitos e agressividade que se manifestam em
dramatizações extremas. Todas estas situações de tensão levam a que a família se reorganize,
numa organização de recurso à margem do doente baseada num reequilibrio da dinâmica familiar
através da troca efectiva de papéis. Deste modo, tal como Mello (1) refere "o lar alcoólico é uma
fonte de patogenia para a descendência quer através de factores tóxicos quer através de factores de
ordem psicológica".

R e o rg a n iz a ç ã o d a d in â m ic a f a m ilia r e m
q u e o A lc o ó l ic o é m a r g i n a l iz a d o

I n d iv í d u o A lc o ó l ic o








A
A
A
A
A
A

l te
l te
l te
l te
l te
l te

ra
ra
ra
ra
ra
ra

çõ
çõ
çõ
çõ
çõ
çõ

es
es
es
es
es
es

d
d
d
d
d
d

e
e
e
e
e
e

L a r P a to l ó g i c o

P erc ep çã o
M o t r i c id a d e
R a c i o c ín i o
C ri a ti v id a d e
R e s p o n s a b i l id a d e
O rd e m F ís i c a

P e rt u r b a ç õ e s n o L a r





D e s p r o m o ç ã o P r o f is s io n a l
D e s p r o m o ç ã o F i n a n c e ir a
D es pro m oç ão S oc ial

D e se m p re g o

Q u a d ro I - P e rt u rb a ç õ e s c a u s a d a s p e l o á l c o o l

É primordial que durante o processo terapêutico a família seja parte integrante estando sempre
envolvida nos contractos terapêuticos. Só assim, é possível sanar as dificuldades do sistema familiar
e reorganizar a estrutura familiar.

PAPEL DO ENFERMEIRO

A negação do problema é o maior obstáculo para a sua resolução, bem como a existência de
falsos conceitos sobre o álcool, tais como o álcool dá força, mata a sede, . . . (1). É ponto de partida, a
aceitação da doença e o seu tratamento, bem como a sua compreensão.
A orientação de enfermagem para o cuidar é uma orientação holística, centrada na pessoa, que é
vista como um todo em constante interacção com o meio. O acto de cuidar é inerente à própria vida,
tal como refere Collière (4) «Cuidar é um acto individual que prestamos a nós próprios, desde que
adquirimos autonomia, mas é igualmente um acto de reciprocidade que somos levados a prestar a
toda a pessoa que, temporária ou definitivamente tem necessidade de ajuda, para assumir as suas
necessidades vitais».
Cuidar revela-se então como uma dimensão essencial dos cuidados de enfermagem e o seu valor
mais alto está na relação enfermeiro ­ pessoa cuidada. Neste sentido, a relação interpessoal na
vertente Relação de Ajuda, torna-se o alicerce dos cuidados de enfermagem, dado ser a essência
dos mesmos.
Segundo Chalifour (5) a Relação de Ajuda consiste numa interacção entre duas pessoas - o
ajudante e pessoa ajudada (ou o enfermeiro e o utente) baseada na partilha em que cada um dá o
-311º Congreso Virtual de psiquiatría. Interpsiquis 2010
www. interpsiquis. com - Febrero-Marzo 2010
Psiquiatria. com

ENFOQUE SISTÉMICO DEL PACIENTE ALCOHÓLICO - UN ESTUDIO DE CASO

seu contributo para a satisfação da necessidade presente na pessoa a ajudar/utente, sendo esta a
detentora dos verdadeiros recursos e o ajudante/enfermeiro um facilitador na procura dos mesmos.
Com efeito, a Relação de Ajuda é um diálogo intencional limitado no tempo e no espaço, com um
fim terapêutico, que ocorre num ambiente facilitador, o qual desperta sentimentos de confiança e
segurança. Tais sentimentos permitem ao utente partilhar com o "outro" as suas vivências, de forma
a que este entre no seu mundo e compreenda as suas percepções. Pois só assim, é possível ajudá-lo
a clarificar o seu problema e a mobilizar os seus recursos, de modo a fazer frente aos estímulos da
vida, e indubitavelmente, favorecer o seu crescimento pessoal. Neste sentido, o enfermeiro deve
transmitir ao utente que ele é o principal agente na relação, e igualmente, ajudá-lo a centrar-se na
realidade presente, afim de utilizar as suas capacidades reais e potenciais, para encontrar em si
capacidade de escolha que lhe permita mudar. O principal papel do enfermeiro é pois, o de
facilitador, já que facilita no "outro" a exteriorização dos recursos que permitem a resolução do seu
problema, levando-o a encarar o mesmo sob outras perspectivas. Logo, o enfermeiro não dá
soluções/respostas, apenas oferece as condições para que o "outro" consiga resolver o seu
problema.
Para o êxito do trabalho com um alcoólico o enfermeiro deve aceitá-lo tal como ele é, ter um
interesse sincero, respeito, um grau cada vez maior de consistência e de compreensão, além de
nunca ter atitudes condenatórias (pois ao fazê-lo iria aumentar o desespero do doente alcoólico),
mas sim de responsabilização (6).
Segundo Pina (7) é na relação alcoólico/grupo/terapeuta que reside a essência da ajuda
terapêutica, ou seja, o apoio ao doente através de uma relação de amizade/confrontação, não
directiva nem possesiva, de segurança/naturalidade, de valorização/esperança.

UTENTE
A g e n t e a c ti v o ;
D ific u ld a d e e m e x p re ssa r
os
s e u s se n tim e n to s;
C o m c a p a cid a d e s rea is e
p o te n c ia is q u e lh e p e r m i te m
lid a r c o m a situ a ç ã o .
A u to n o m ia d o u te n te

R E L A Ç Ã O D E A JU D A
É u m a r e la ç ã o d e :
* a m iz a d e / c o n fr o n t a ç ã o ;
*não
d ir e c t i v a
nem
p o s s e s iv a ;
* s e g u r a n ç a / n a t u r a l id a d e ;
* v a lo r i z a ç ã o / e s p e r a n ç a .

E N F E R M E IR O
A lg u é m q u e :
te m
um
c o n h e c im e n to
p le n o d e s i;
te m u m c o n h e c im e n to d o
p ro c e s so re la c io n a l;
p o ssu i
a titu d e s
e
h a b ilid a d e s .

A
d e sc o b e rta
dos
in t e r n o s q u e p e r m i te m
o s p ro b le m a s;

re c u rso s
e n f r e n ta r

F a c ilita

Q u a d ro II - R e la ç ã o d e A ju d a

OBJECTIVOS TERAPÊUTICOS GERAIS
Os principais objectivos terapêuticos gerais no acompanhamento de um doente alcoólico são:

Ajudar o utente a reconhecer e a aceitar o problema de alcoolismo;

Melhorar a sua auto-imagem;

Desenvolver estratégias adaptativas que facilitem a abstinência.

COLHEITA DE DADOS

O Sr. L. C. de raça caucasiana, de 51 anos de idade, sexo masculino, casado e reformado por
invalidez há um ano, foi internado por Dependência Alcoólica. Após grandes alterações no
funcionamento familiar, consequências físicas como fracturas constantes devido a quedas e
insatisfação com a vida, acabou por aceitar o internamento, após intervenção da médica assistente.
Tem antecedentes pessoais de Diabetes Mellitus, tipo I e de Epilepsia
-411º Congreso Virtual de psiquiatría. Interpsiquis 2010
www. interpsiquis. com - Febrero-Marzo 2010
Psiquiatria. com

ENFOQUE SISTÉMICO DEL PACIENTE ALCOHÓLICO - UN ESTUDIO DE CASO

O doente apresenta higiene pessoal descuidada; apresenta-se um pouco emagrecido, sendo o seu
peso actual de 58 Kg; encontra-se aparentemente calmo, consciente e orientado no tempo e no
espaço; apresenta uma tensão arterial de 102/74 mmHg (sentado no membro superior esquerdo) e
um pulso (radial) de 90 bat/min, sendo o ritmo regular e a qualidade normal.
O doente tem um discurso claro, lógico e coerente. É um pouco reservado, mas comunica sempre
que solicitado. Apresenta uma certa labilidade emocional e não apresenta alterações na forma e/ou
conteúdo do pensamento.
O doente refere que há cerca de um ano que a sua mulher se mudou para casa da filha, o que o
perturbou bastante. Verbaliza que o seu relacionamento quer com a sua esposa quer com os seus
dois filhos já não era muito bom, e que a partir dessa altura piorou. A partir, deste momento a
ingestão de bebidas alcoólicas (sobretudo vinho tinto) agudizou-se. Apesar de aceitar o
internamento e referir reconhecer a necessidade de se manter abstinente, não identificou os
consumos dos últimos anos como problemáticos. O último consumo foi há quatro dias antes do
internamento.
O doente refere que tem por hábito tomar um banho diariamente embora ultimamente tenha
negligenciado estes cuidados. Relativamente à alimentação, refere que após a saída de casa da sua
esposa começou a "desleixar-se" desta, sendo que a maior parte das vezes apenas ingeria almoço e
jantar, em casa da sua cunhada, verbalizou perda do apetite nos últimos tempos.
Apresenta-se asténico e com dificuldade na mobilização.
Refere acordar várias vezes durante a noite com vontade de urinar, e por vezes tem dificuldade
em voltar a adormecer.
Manifesta sentimentos de frustração e de tristeza em relação à evolução da sua vida.

PLANO DE CUIDADOS

A. É ponto de partida, a aceitação da sua doença, a sua compreensão, bem como aceitar o
tratamento. Como o doente refere reconhecer que de facto estava com um problema de
dependência do álcool e aceitou o internamento para tentar resolver o seu problema, torna-se
pertinente identificar o problema que se segue, para que o doente compreenda a sua patologia.

PR O B L E M A

O B J E C T IV O S

D é fic e
de
c o n h e c im e n to s
em
re la ç ã o
à
su a
p a to lo g ia
a c tu a l
( a lc o o lis m o )
e
re s p e c tiv o
t r a ta m e n to re la c i o n a d o c o m fa lta d e
in fo rm a ç ã o

Q ue
o
d o e n te
v e rb a liz e
a
n a tu re z a
do

a l c o o li s m o ;
Q u e o d o e n t e v e r b a l iz e p r o b le m a s r e la c io n a d o s
c o m a b e b id a ;
Q u e o d o e n te sa ib a v e rb a liz a r o s b e n e fíc io s d e
e s ta r s ó b rio ;
A ju d a r o d o e n te a d e c id ir-s e p e la a b s tin ê n c ia .

A C Ç Õ E S

E s ta b e le c e r c o m o d o e n te u m a r e la ç ã o d e c o n fia n ç a ;
E n s in a r a o d o e n te a s p e c to s s o b re a d o e n ç a c o m o d e fin iç ã o , re la ç ã o e n tre
c o n s u m o e p e r tu r b a ç õ e s . . . e t ó p ic o s d e p r o b le m a s q u e p o d e rã o s u r g i r
d e v id o a o c o n su m o d o á lc o o l;
C o n fro n ta r o
a b stin ê n c ia .

d o e n te

com

a

d ife re n ç a

de

c o m p o rta m e n to s

a n te s

e

d e p o is

da

Q u a d ro I II - P ro b le m a , O b je c tiv o s e A c ç õ e s

-511º Congreso Virtual de psiquiatría. Interpsiquis 2010
www. interpsiquis. com - Febrero-Marzo 2010
Psiquiatria. com

ENFOQUE SISTÉMICO DEL PACIENTE ALCOHÓLICO - UN ESTUDIO DE CASO

B. Na expressão de sentimentos do doente, são predominantes, os de tristeza, de desânimo, de
abatimento, perda de interesse e de iniciativa e incapacidade de mostrar alegria.
PRO B LE M A

O B J E C T IV O S

Q u e o d o e n t e e x p r im a u m h u m o r a d e q u a d o ;
Q u e o d o e n t e s e s i n ta v a l o r i z a d o .

H u m o r d e p ri m i d o r e l a c i o n a d o c o m
se n tim en to s
de
inca p a cid ad e
m a n i fe s t a d o
po r
is o l a m e n t o
e
p e rí o d o s d e l a b i l id a d e e m o c io n a l .

A CÇÕ ES

E n c o r aja r a e x p r es sã o d o s se n ti m en to s ;
E s ti m u l a r a id e n t if i c a ç ã o d e s e n t i m e n t o s n e g a t i v o s ;
E n c o ra j a r o d o e n t e a
e x e r c íc i o s p l a n e a d o s ;

p raticar

um a

ro tina

diária,

c om

E n c o r a ja r o u te n t e a v e r b a l i z a r e a e x p re s s a r o s e u s o f ri m e n t o r e l a ti v a m e n te
a : * n e c e s s á r i a s m u d a n ç a s d o e s t i lo d e v id a , * p e r d a d o á lc o o l , * n e c e s s á r i a s
a l t e r a ç õ e s n o s p a d r õ e s d e a m iz a d e e d e o r d e m s o c i a l .
Q u a d r o I V - P ro b l e m a , O b j e c t i v o s e A c ç õ e s

C. Se considerarmos a família como um sistema social aberto, composto por elementos em
constante interacção, o alcoolismo resultará da interacção entre três factores: o hospedeiro
(indivíduo), o agente (álcool) e o ambiente (família/comunidade). O doente tinha problemas
familiares com a sua esposa e filhos, que culminaram com a saída de casa da mesma, tendo a
situação agravado-se, deixaram de querer saber dele, que passou a consumir de forma exagerada
bebidas alcoólicas. A colaboração da família é muito importante para a recuperação de um doente
alcoólico, exigindo um enorme esforço quer do próprio quer dos que o rodeiam.

PROBLEM A

O B J E C T IV O S

A lte ra ç ã o
ao
n ív e l
do
p a d rã o
f a m i li a r
r e l a c i o n a d o c o m h á b i t o s a lc o ó l ic o s p o r p a r t e d o
u t e n t e m a n i fe s t a d o p o r a f a s t a m e n t o d a e s p o s a e
d o s filh o s e p o ss iv e lm e n te p o r u m
não
re c o n h e c im e n to p o r p a rte d o s o u tro s m e m b ro s
d a s u a i n f l u ê n c ia n o s c o m p o r ta m e n t o s d o
d o e n te .

P ro m o ver
f a m í li a p a ra
a b stin ê n c ia .

a
a

e s ta b iliz a ç ã o
m a n u te n ç ã o

da
da

ACÇÕES

E n v o l v e r a f a m í l ia n o p r o c e s s o d e r e c u p e r a ç ã o d o d o e n t e ,
e x p l i c a n d o a im p o r tâ n c ia d o s e u e n v o l v i m e n t o n o d i t o
p r o c e s s o ( c a s o m a n if e s t e m i n te r e s s e , a m b a s a s p a r t e s ) ;
F a v o r e c e r a c o m u n i c a ç ã o f a m i li a r , p e r m i ti n d o q u e o s m e m b r o s
d a f a m íl i a s e e n c o n t r e m e e x p o n h a m o s e u p o n t o d e v i s t a s o b r e o
p ro b le m a;
E x p lo ra r c o m o s m e m b ro s
p ro v o c a m o p ro b le m a ;

da

f a m í l ia

os

c o m p o r ta m e n t o s

que

C o n f r o n t a r o s m e m b r o s d a f a m í l ia n o s e n t i d o d e q u e c a d a u m r e f l ic ta
s o b r e a f o r m a c o m o c o n t r i b u i p a r a a p e r s i s t ê n c i a d o p r o b le m a ;
R e d u z i r o s c o n f l i t o s f a m i l ia r e s , a t r a v é s d a f o c a li z a ç ã o e m c a d a m e m b r o d a
f a m í li a ;
E n s i n a r a f a m í li a a s p e c t o s s o b r e o a l c o o li s m o .

-6Q u a d ro V - P ro b le m a , O b je c tiv o s e A c ç õ e s
11º Congreso Virtual de psiquiatría. Interpsiquis 2010
www. interpsiquis. com - Febrero-Marzo 2010
Psiquiatria. com

ENFOQUE SISTÉMICO DEL PACIENTE ALCOHÓLICO - UN ESTUDIO DE CASO

D. Um dos riscos a que um doente alcoólico está sujeito é o de recaídas (recuo no tratamento), tornandose essencial a prevenção das mesmas através de estratégias específicas.
PRO B LEM A

O B J E C T IV O S

D ific u ld a d e e m d e fe n ir e stra té g ia s d e
p re v e n ç ã o d e re c a íd a s, re la c io n a d a c o m
fra g ilid a d e e m o c io n a l, in s e g u ra n ç a
e
fa lta d e in fo rm a ç ã o .

P re v e n ir a in g e stã o d e á lc o o l d e fin in d o
e s tra té g ia s p a ra m a n te r a a b s tin ê n c ia ;
re e q u il íb r i o d a
P r o m o v e r /f a c ilita r u m
re d e so c ia l

A CÇ Õ ES

D a r a p o io p sic o ló g ic o ;
E s t a b e le c e r u m a re la ç ã o e m p á tic a c o m o u te n te ;
In c e n tiv a r o
a l c o ó li c a s ;

d o e n te

a

não

v o lta r

a

beber

b e b id a s

In c e n tiv a r o u te n te a d e s e n v o lv e r p la n o s c o n s tru tiv o s p a ra a
o c u p a ç ã o d o te m p o n o s e n tid o d e s e d is t r a ir , d e s e s e n ti r
v a lo riz a d o e d e se n tir p ra z e r p e lo q u e re a liz a ;
In c e n tiv a r a p a rtic ip a ç ã o e m g ru p o s d e a u to -a ju d a , e m e s p e c ia l o s
A lc o ó lic o s A n ó n im o s ;
A l e r ta r p a r a a n e c e s s id a d e d e a c o m p a n h a m e n to a p ó s a a lta c lí n ic a ;
F a c ilita r e in c e n tiv a r a e x p re s s ã o d e s e n tim e n to s ;
R e d u z ir o iso la m e n to so c ia l.
Q u a d ro V I - P ro b le m a , O b je c tiv o s e

A cções

E. O doente tem antecedentes de Diabetes Mellitus, tipo I (não se lembra há quanto tempo lhe foi
feito o diagnóstico) e demonstra falta de conhecimentos relativamente a tal patologia.

PR O B L E M A

O B J E C T IV O S

D é f ic e
de
c onhecim entos
r e la tiv a m e n t e à D ia b e te s .


Q ue
o
d o e n te
d e m o n st r e
/
v e r b a li z e
c o n h e c im e n to s a c e r c a d a d ia b e te s e s e u t r a t a m e n to ;
P r o m o v e r a a u to n o m iz a ç ã o d o d o e n te

A C Ç Õ E S

F
d
e
*
h

o r n e c e r in f o r m a ç õ e s s o b r e a D i a b e t e s , n o m e a d a m e n te : *
e f in iç ã o
da
doenç a,
* e s p e c if i c id a d e
da
a l im e n ta ç ã o ,
*
x e r c í c io , * te r a p ê u ti c a , * a u to c o n tr o le d a s it u a ç ã o m e ta b ó l ic a ,
r e c o n h e c im e n to
e
tr a ta m e n to
de
s it u a ç õ e s
de
i p o /h i p e r g lic é m i a , * h i g i e n e e c u i d a d o s a te r c o m o s p é s ;

In c e n t i v a r o d o e n t e a r e a l i z a r d e f o r m a i n d e p e n d e n t e a p e s q u i s a d e
g l ic é m i a , a a d m in i st r a ç ã o d e in s u li n a . . . ;
E n c a m in h a r o d o e n te p a r a u m a c o n s u lt a d e d i a b e t o lo g i a .
Q u a d ro V II

-

P r o b le m a , O b je c ti v o s e

A c çõ es

-711º Congreso Virtual de psiquiatría. Interpsiquis 2010
www. interpsiquis. com - Febrero-Marzo 2010
Psiquiatria. com

ENFOQUE SISTÉMICO DEL PACIENTE ALCOHÓLICO - UN ESTUDIO DE CASO

F. No decurso do internamento, o doente manifestou dificuldade em adormecer e em manter o sono.

PR O B LE M A

A l te r a ç ã o
do
p o ss iv e lm e n te
( a m b i e n te h o s p
f a c i lm e n te e te r

O B J E C T IV O S

R e s ta b e l e c e r o p a d r ã o h a b i tu a l d e
so n o .

p a d rão
de
sono
rel aci o n ad a
co m
a l te r a ç ã o
do
a m b ie n te
ita la r ) m a n i f e s ta d a p o r a c o r d a r
d i f ic u l d a d e e m a d o r m e c e r .

A CÇÕ E S

P r o p o r c i o n a r u m a m b ie n te c ó m o d o e t r a n q u il o ;
In fo r m a r o d o e n t e s o b r e o s d i f e r e n t e s m e i o s fa c i l i t a d o r e s d o
so n o : le i te q u e n te , m a r c h a , le i tu r a . . . ;
I n c e n t iv a r o d o e n t e a a l te r n a r p e r í o d o s d e a c ti v id a d e s c o m o u tr o s d e
r e p o u s o r e g u la r ;
A d m in i st r a r in d u t o r d o so n o , s e g u n d o p r e sc r iç ã o .
Q u a d ro V I I I - P r o b l e m a , O b j e c t i v o s e A c ç õ e s

G. O doente não realiza actividades de terapia ocupacional, demonstrando falta de interesse. Dadas

estas serem bastante benéficas para a saúde física e mental já que possibilitam a vivência de sentimentos
de prazer, valorização e aumento da auto-estima, torna-se importante a nossa intervenção.
PR O B LE M A

O B J E C T IV O S

R e c u s a r e l a ti v a à e x e c u ç ã o d e a c ti v id a d e s d e
te r a p ia o c u p a c i o n a l r e l a c i o n a d a c o m f a lta d e
in te r e s se .

Q u e o d o e n t e m a n if e s te in te r e s se e
e x e c u te
a c tiv i d a d e s
de
te r a p ia
o c u p a c io n a l ;
Q u e o d o e n t e s e s in ta v a lo r i z a d o .

A CÇÕ ES

E x p l ic a r o s b e n e f íc io s d a s a c t iv id a d e s d e te r a p ia
o c u p a c io n a l p a r a a s a ú d e f í si c a e m e n t a l;
In c e n t i v a r o d o e n t e a d e s l o c a r - s e a t é à t e r a p i a o c u p a c i o n a l ;
E x p l o r a r o s i n t e r e s s e s e o s g o s t o s d o u t e n t e re l a t i v a m e n t e á s
a c t iv id a d e s o c u p a c io n a is p o s s ív e i s, c o m o a u x ili o d a te r a p e u ta
o c u p a c io n a l ;
P l a n e a r a s a c t i v i d a d e s t e n d o e m c o n t a o s s e u s i n t e re s s e s ;
R e f o r ç a r p o s iti v a m e n te
a c tiv i d a d e s .

os

es fo rço s

do

u te n t e

sem p r e

que

ele

e x e c u ta r

Q u a d r o I X - P r o b le m a , O b je c tiv o s e A c ç õ e s

-811º Congreso Virtual de psiquiatría. Interpsiquis 2010
www. interpsiquis. com - Febrero-Marzo 2010
Psiquiatria. com

ENFOQUE SISTÉMICO DEL PACIENTE ALCOHÓLICO - UN ESTUDIO DE CASO

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Em termos de intervenção junto do doente a que se refere o caso clínico esforçamo-nos por fazer
o nosso melhor e pensamos ter obtido um resultado positivo, na medida em que de um modo geral
os objectivos propostos relativamente aos problemas identificados (tendo em conta os objectivos
terapêuticos gerais) foram alcançados.
No sentido de ajudarmos o doente a reconhecer e a aceitar o seu problema de alcoolismo, o
mesmo foi incentivado a descrever a sua percepção do problema, tendo verbalizado que estava com
um problema de dependência do álcool, embora não identificando os consumos dos últimos anos
como problemáticos e foram-lhe explicados alguns aspectos sobre a sua patologia tendo
demonstrado compreensão. Foi possível a criação duma aliança terapêutica, a facilitação da
expressão de sentimentos e o reconhecimento da dinâmica da doença, com as respectivas causas e
consequências.
Para ajudarmos a melhorar a sua auto-imagem incentivamos o doente a expressar os seus
sentimentos, e a participar em actividades de terapia ocupacional de maneira a que se sinta
valorizado e não verbalize sentimentos de incapacidade, o que inicialmente rejeitou revelando falta
de interesse e posteriormente acabou por aceitar, manifestando satisfação com os trabalhos
desempenhados. O incentivo constante, a valorização e o estímulo à participação por parte dos
familiares, tal como atitudes permanentes de respeito, aceitação e reconhecimento de capacidades
foram fundamentais.
Com o intuito de desenvolver estratégias adaptativas que facilitem a abstinência envolveu-se a
família no processo de recuperação (após o doente ter manifestado interesse no envolvimento da
mesma), a qual mostrou disponibilidade, interesse e receptividade, tendo sido feitas várias
entrevistas de ajuda com o objectivo de promover o reequilibrio do sistema familiar, sem
julgamentos nem imposições. Estimulou-se o doente a desenvolver actividades, pós-alta, tais como
participação nas reuniões dos Alcoólicos Anónimos (ás quais assistiu durante o internamento e
considera bastante interessantes e benéficas) e a participação em entrevistas de acompanhamento
em ambulatório.
A confrontação do utente com os seus comportamentos, comparando os anteriores com os
actuais, possibilitou-lhe um reforço do auto-conhecimento.
Numa perspectiva global dos cuidados foi encaminhado para a consulta de diabetologia.
Tudo o que foi realizado, teve em vista a alta clínica, como é evidente.
Estamos convencidos que tendo em consideração o utente de forma global, com interesse e
respeito, tendo uma atitude de profissionalismo, sabendo identificar com clareza qual o papel do
enfermeiro e o que são cuidados de enfermagem, atendendo o utente de forma individualizada e
tendo como objectivo a autonomização e a preparação da alta, será possível prestar cuidados de
saúde de melhor qualidade.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1 - MELLO, Maria Lucilia; e outros - Manual de Alcoologia para o Clinico Geral - 1ª ed, Coimbra,
Delagrange, 1988.
2 - SANTOS, Alberto - O Alcoolismo e a terapia familiar - Trabalho não publicado, 2000.
3 - PHIPPS, Wilma; e outros - Enfermagem Médico-Cirúrgica - 2ª ed em Português, Lisboa,
Lusodidacta, 1995.
4 - COLLIÉRE, Marie Françoise - Promover a vida - 2ª ed, Lisboa, Sindicato dos Enfermeiros
Portugueses, 1999.
5 - CHALIFOUR, Jacques - La Relation d'aide en soins infirmiers - Une prespective holistiquehumaniste - Paris, Editions Lamarre, 1989.
6 - KYES, Joan; e outros - Conceitos básicos de Enfermagem Psiquiátrica - 4ªed, Brasil,
Interamericana, 1985.
7 - PINA, Emilia - O papel do generalista no tratamento do doente alcoólico - Coimbra, Revista da
sociedade Portuguesa de Alcoologia, Janeiro/Agosto, Nº1/2, Vol. III, p. p. 137-150.
-911º Congreso Virtual de psiquiatría. Interpsiquis 2010
www. interpsiquis. com - Febrero-Marzo 2010
Psiquiatria. com

Comentarios de los usuarios



No hay ningun comentario, se el primero en comentar